O valor do perfil nas redes sociais

No mundo atual, o indivíduo que não tem um perfil na rede social não existe no mundo real, quiçá a empresa que não esteja conectada com seus consumidores no Facebook, Twitter ou Instagram. Fato é que quanto mais interativa e atrativa for a rede social da empresa, mais ela pode captar não apenas clientes e, sim, admiradores de sua marca.

As empresas sabem da dificuldade de conquistar um público fiel e o melhor meio, atualmente, é pelas redes sociais. Não se trata apenas de divulgar um produto ou serviço, mas de se tornar próximo de seu público, atender suas necessidades e estabelecer laços de comunicação. Ela se torna referência no mercado por aquilo que vende e pelo relacionamento positivo que cria.

Como já afirmou Kotler, “o marketing antigo morreu. Antes, os consumidores não tinham tanto conhecimento da empresa (…) Hoje, isso mudou. Você pode conhecer a empresa tanto quanto ela”. (Kotler, 2012, p. 56)

Ciente desta mudança, o mundo jurídico acompanhou a evolução e aprovou o Enunciado 95 de Direito Empresarial que afirma que os perfis das empresas em rede social, quando atuam no mesmo sentido de suas páginas eletrônicas, comercializando e divulgando a marca, podem ser considerados parte da empresa.

Ou seja, uma empresa não pode ser considerada apenas pela sua sede física, pelo quanto de funcionários emprega ou de filiais que tem, devendo ser considerado também, como parte integrante dela, o perfil em rede social, de forma que, em determinada venda ou valoração, o perfil é parte integrante do estabelecimento.

Desta forma, o perfil social da empresa não pode ser apenas uma preocupação da área de marketing, devendo integrar o jurídico, pelo quanto vale e pelo quanto atinge diretamente o consumidor.

Cinthya Imano Vicente Ribeiro

Advogada Especialista em Direito Processual Civil da Almeida Prado & Hoffmann Advogados Associados

 

2019-07-10T13:27:10+00:00